Manifestação “Que se Lixe a Troika” | Lisboa, 2 de Março de 2013

A 2 de Março de 2013 um grupo de alunos e professores das Belas-Artes desenharam e distribuíram cartazes num atelier popular no epicentro da grande manifestação contra a intervenção da ‘troika’ em Portugal. Estas são algumas filmagens que realizei na altura, sem cortes nem edições.

Anúncios

Tom Dixon. O design entre o berço e o caixão

Processed with VSCO with e1 preset

Saiu no P2 de 20 de Janeiro, com o jornal Público, o meu artigo sobre a colaboração do IKEA com Tom Dixon, que entrevistei em Lisboa no lançamento da segunda fase da colecção Delaktig. As fotografias são de Miguel Manso. É o meu primeiro trabalho para um jornal nacional generalista e pode ser lido AQUI.

Processed with VSCO with e1 preset

Processed with VSCO with e1 preset

Processed with VSCO with e1 preset

 

A geração depois do fim

vlcsnap-2018-08-11-16h15m28s146.png
Frame de Starship Troopers, Paul Verhoeven (1997).

“I’ve seen the future, brother: It is murder.”
The Future, Leonard Cohen (1992)

Há uma cena particularmente inquietante no filme Starship Troopers (1997) de Paul Verhoeven, na qual o protagonista Johnny Rico informa os pais de que se acabara de alistar no exército. A decisão, que quase certamente significava a sua morte, é simplesmente incompreensível para eles. Os jovens desta Buena Aires distópica são educados com um fervor nacionalista que glorifica a guerra e a expansão imperialista — uma motivação mais forte que o medo. Os pais que os tentam desencaminhar deste destino são retratados como traidores. Claro que Starship Troopers é uma sátira embrulhada nos maiores clichês estilísticos e ideológicos de Hollywood, algo que foi maioritariamente incompreendido aquando da sua estreia. Verhoeven pergunta como seria um filme de ficção científica produzido por uma sociedade fascista e apresenta em bruto um produto incrivelmente semelhante às grandes produções norte-americanas do pós-11 de Setembro. Tudo no filme é demasiado óbvio: há planos directamente copiados da obra de Leni Riefenstahl e a certa altura o actor Neil Patrick Harris aparece vestido com uma farda das SS alemãs. [1] As críticas, no entanto, debruçavam-se sobre o valor de produção, a qualidade do guião ou o talento dos actores (eles próprios desconhecedores das intenções do realizador). A enorme suástica metafórica carimbada em cada frame passou, e para muita gente continua a passar, totalmente despercebida.

A naturalidade banal com que o fascismo é encarado neste filme é o que o torna tão insuspeito. A crença cega de Johnny Rico no dever da guerra soa tão inacreditável aos seus pais como a carta que Magda Goebbels enviou ao seu filho Harald Quandt antes de se suicidar, explicando que não valia a pena viver num mundo sem o Führer ou o nacional-socialismo. [2] É o mal absurdo e real de Trump nos Estados Unidos ou do nome Hugo Boss, um dos principais produtores das fardas das SS [3], estampado no frasco de perfume que uso diariamente. A obra de Verhoeven, marcada também por Robocop (1987) ou Showgirls (1995), é das mais prescientes das últimas décadas. Starship Troopers apresenta uma profunda compreensão da infindável estupidez do fascismo total e de como ela se torna num apelo poderoso aos piores instintos do ser humano. Quando essa estupidez coincide com governos e movimentos autoritários emergentes, políticas discriminatórias e repressivas, catástrofes climatéricas implacáveis, guerras infindáveis ou o brutal desequilíbrio na distribuição da riqueza — fenómenos que pouco incomodam o resto do mundo que deles se pode alhear — temos então motivos para alerta.

Outrora, o futuro da democracia e da liberdade residiu numa memória histórica que foi sendo gradualmente descuidada, revisitada com má vontade e em última análise esquecida. Mais recentemente, o sector tecnológico começou a olhar para si como um último reduto de esperança na sobrevivência do ser humano livre. Em Silicon Valley, nos EUA, o projecto capitalista investiu de novo na ideia da sua auto-regulação, apresentando-se agora como agente subversivo de um sistema que pretende salvaguardar. É uma enorme pescadinha de rabo na boca, um conceito incoerente dissecado perante o grande público numa série de escândalos recentes. Google, Facebook e Twitter são questionados pelo seu tratamento de dados privados e ingerências anti-democráticas, Elon Musk perde gradualmente a cabeça em tempo real na internet e o co-fundador da Web Summit, Paddy Cosgrave, dá duas voltas à espinha entre convites e desconvites a Marine Le Pen. Comum a todos: o conforto no convívio com, e apoio a, movimentos repressivos de extrema-direita. O sonho liberal de um resgate tecnológico à moda de um blockbuster sci-fi vai derretendo como um gelado ao Sol quando confrontado com o poder do populismo etno-nacionalista. Marte não está assim tão perto e o corpo de Peter Thiel congelado à espera da imortalidade não nos traz grande conforto. [4] Mas claro que nada disto faz sentido desde o início: Silicon Valley é indissociável do poder, representa as suas faces mais obscuras, e só o grande desespero do abismo poderia levar-nos a pensar que pôr o futuro nas suas mãos era uma boa ideia.

O progresso tecnológico, bandeira máxima da razão contemporânea, só poderia desvendar o seu programa depois de conquistar pacificamente a geração que a pode sustentar. Não é raro ver os telejornais apresentar uma peça jornalística sobre a relação dos millenials com a tecnologia. Fala-se dos perigos, das possibilidades, dos novos talentos e das promessas de futuro… Mas o progresso é tão veloz que estas peças são sempre tentativas falhadas, evidências claras da total falta de compreensão que divide gerações. Além disso, reservam uma crítica tecnológica para efeitos menores de um aparelho ideológico que age numa escala bem mais alargada. A cultura online é hoje absolutamente massiva e move-se a um ritmo imparável. É impossível compreendê-la sem fazer parte dela, até para pessoas jovens e activas na rede como eu. Por isso acredito que não há maneira de imaginarmos sequer como o futuro imediato se vai desenrolar. Não sabemos tirar o pulso a quem somos. Herdámos o fim da História quando já a pata estava enfiada na poça de ataraxia neo-liberal de Tatcher e Reagan — uma era que foi tudo menos um ponto final. A vitória do capitalismo com a queda da União Soviética foi pírrica e simbolizou apenas o fim de uma narrativa que serviu de pouco perante os problemas graves que o globo enfrentaria nos anos seguintes, deixando para os vindouros a responsabilidade de segurar o castelo de cartas.

Ainda assim, enquanto geração, a nossa defesa acaba no diagnóstico. Para toda a genuína revolta e vontade de mudar, para todas as tentativas de propor modelos mais justos, parece haver uma cruel corrente contrária igualmente potente. E é claro que nós, geração, também não percebemos ainda a real dimensão do que se está a passar. Isso terá de mudar em breve, pois tudo se precipita rapidamente. Os alarmes não soam porque o fascismo não voltou sob a forma de 1984 nem de Admirável Mundo Novo, mas sim servida como a estupidez mergulhada em gorduras saturadas de Starship Troopers. Não se propagou pela imprensa do Estado ou por velhos académicos, mas penetrou no incontrolável solo fértil da cultura de massas. Não há razão nenhuma para acreditar que as injustiças do passado não serão perpetuadas por nós — nada nos distingue como melhores. Os filhos que herdaram o imenso poder e riqueza dos seus pais estão hoje em posições privilegiadas para silenciar os restantes e são os primeiros a contestar qualquer definição do Mal que os identifique como o inimigo.

Dizem-nos que não podemos gastar as palavras, que lhes sugamos o significado e anulamos o seu poder. Há quem não goste que se diga “fascismo” e reserve o adjectivo para parcelas hermeticamente seladas da História, reduzidas a erros pontuais para que ninguém se atreva a pensar que são a norma. Ainda assim, mesmo que nos queiramos cingir a uma definição convencional de fascismo enquanto violência colonial aplicada domesticamente através da perseguição de bodes expiatórios, vemos que tal acontece abertamente perante os nossos olhos. Como os nazis perseguiram os judeus, o governo norte-americano persegue os migrantes da América Central e do Sul, vários líderes europeus assumem querer esvaziar o continente de qualquer presença muçulmana e nas Filipinas Rodrigo Duterte compara-se a Hitler enquanto ordena o assassinato de centenas de traficantes e utilizadores de droga. Aconteceu tudo como antes: ambições imperialistas, guerras inúteis e uma recusa geral em aceitar que o sistema capitalista não permite a libertação deste ciclo. O status quo esteve sempre mais confortável a apoiar reacções de extrema-direita do que a dissolver o sistema económico que gera toda esta violência — foi assim que o fascismo desmontou, no século XX, toda a força do movimento proletário descontente com as circunstâncias económicas do pós-guerra. É assim que o está a fazer agora: com dinheiro, poder e repressão — e uma resposta fácil a problemas complexos.

O convite original que me fizeram para este texto pedia que escrevesse acerca do que mudou nos 3 anos desde a última vez que o fiz, para a exposição de finalistas Agora, irrepetível. [5] Fi-lo outras vezes entretanto e revejo-me em muito pouco do que escrevi. Quando se escreve sobre a geração é fácil acabar a dar conselhos que ninguém pediu ou a lamentar as nossas próprias inseguranças. Por isso não correspondi a esse pedido — porque sinto que não tenho assim tanto a dizer, porque não me considero sequer de uma geração diferente dos finalistas deste ano e porque me parece que os discursos da geração são um escape reaccionário a discussões concretas sobre política e poder. Mas há algo a apontar. As circunstâncias do nosso universo próximo podem ter melhorado em alguns aspectos e piorado noutros, com uma sensação tendencialmente positiva. Mas não é possível estar tranquilo quando vemos que à nossa volta tudo está a ruir e o autoritarismo violento ressurgiu em locais e de maneiras impensáveis. É preciso ser muito ingénuo para achar que o nosso país nunca cometeria o mesmo erro. A última vez que o cometeu não foi assim há tanto tempo. Derrotar o fascismo do século XXI, em todas as suas formas. É esta a maior urgência da minha geração, que no fundo é toda a gente que está viva ao mesmo tempo que eu. Toda a ansiedade geracional — ou se lhe preferirem assim chamar, esta crise de identidade — acontece porque percebemos no fundo que os desafios que se adivinham são excepcionais. Acredito, no entanto, no poder desta crise. Talvez ela carregue a inquietação necessária para uma verdadeira ruptura. É essencial que sirva para deixar de procurar o valor de uma geração na comparação com as anteriores, pois isso serve apenas aqueles que querem pouco que as coisas mudem. Não estamos confinados à escolha binária de ser o filho que parte para a morte ou o pai que esconde a culpa atrás da repulsa — temos a responsabilidade de abandonar velhos dogmas para evitar horrores do passado. O futuro não é garantido, mas podemos conquistá-lo.


[1] How we made Starship Troopers em The Guardian. Paul Verhoeven, 22-01-2018. [disponível em: https://www.theguardian.com/culture/2018/jan/22/how-we-made-starship-troopers-paul-verhoeven-nazis-leni-riefenstahl]
[2] Letter from Magda Goebbels to Harald Quandt. Magda Goebbels, 1945. [disponível em: http://www.worldfuturefund.org/Reports/lastletter.htm]
[3] Fashion at War: Crafting the Nazi Brand. Alexa Karolinski e John Walter, 2017. [disponível em: https://m2m.tv/watch/fashion-at-war-crafting-the-nazi-brand/films]
[4] The Men Who Want to Live Forever em The New York Times. Dara Horn, 25-01-2018. [disponível em: https://www.nytimes.com/2018/01/25/opinion/sunday/silicon-valley-immortality.html]
[5] Quanto tempo passou desde agora? em “Agora, irrepetível. A juventude, o design e a sua prática”. Edição FBAUL/Sofia Gonçalves, 2015. [disponível em: https://biomorphism.wordpress.com/2018/03/24/quanto-tempo-passou-desde-agora/]

Este texto foi redigido para o jornal da exposição Crise de Identidade, organizada pelos finalistas de Design de Comunicação da FBAUL em 2018.

Quanto tempo passou desde agora?

1f190331950435-566810c04bee6

Nota prévia:
Este ensaio foi redigido em 2015 para o livro dos finalistas de Design de Comunicação da Faculdade-de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. O livro fazia parte de uma série de iniciativas, como uma exposição, debates e um documentário, agregadas sob o título Agora, irrepetível. Enquanto um dos finalistas desse ano, tentei neste texto captar o sentimento de uma geração, ou pelo menos dos colegas que me rodeavam. Hoje continuo-me a rever em algumas das ideias aqui expostas, noutras nem tanto. Não esperava outra coisa. Partilho o texto sem alterações, pois considero-o um documento mais útil no seu estado original do que revisto aos olhos da actualidade. O mais certo é que qualquer revisão feita agora esteja desactualizada daqui a 3 anos.

Agora, irrepetível.http://agorairrepetivel.belasartes.ulisboa.pt/
Comprar o livro: http://loja.belasartes.ulisboa.pt/agora-irrepet%C3%ADvel-2

Continue reading “Quanto tempo passou desde agora?”

O limite da paciência

0441

“If you want to be important — wonderful. If you want to be recognized — wonderful. If you want to be great — wonderful. But recognize that he who is greatest among you shall be your servant. That’s a new definition of greatness.”

Estas palavras foram proferidas por Martin Luther King Jr. a 4 de fevereiro de 1968, num sermão conhecido como “The Drum Major Instinct”, por sua vez uma adaptação de uma homília escrita por J. Wallace Hamilton em 1958. São também elas que, na voz do próprio Martin Luther King Jr., dão o pano de fundo para o anúncio televisivo às novas carrinhas Dodge Ram, emitido na última edição do Super Bowl, o maior evento desportivo e mediático da televisão norte-americana. A reacção negativa à utilização deste discurso para vender automóveis fez-se sentir imediatamente. A desconexão completa entre as palavras de MLK e as imagens evocativas do ideal americano, incluindo a habitual homenagem às tropas (MLK era um anti-militarista convicto) e o slogan final “Built to serve”, extravasava a hipocrisia que normalmente é tolerada nestas situações, levando o anúncio para o campo do absurdo involuntário e do insulto.

Será ingénuo olhar para esta hipocrisia absurda como uma coisa nova. O mundo publicitário há muito que é conhecido pela forma como subverte mensagens radicais para vender qualquer tipo de produto ou serviço. No entanto, este anúncio reflecte uma excepcional aceleração da realidade às mãos de quem tenta desesperadamente colar com fita adesiva os pedaços de um mundo ideal que ruiu perante os nossos olhos. Os eventos políticos dos últimos anos — entre eles o “Brexit” e a eleição de Donald Trump — provaram o quão fácil é dar um passo civilizacional atrás, incluindo em países que se orgulhavam de guiar o resto do mundo no caminho do progresso. Normalizou-se uma incredulidade com a maldade emergente, a incompetência dos líderes mundiais e a vampirização do capitalismo tardio. Nada de novo, se pensarmos que continuamos a dormir bem à noite com a fome no mundo, a destruição do ambiente ou a gigantesca acumulação de riqueza nos bolsos de 1% da população.

Talvez pareça um exemplo rebuscado, mas trago para aqui o anúncio da Dodge porque ele é um espasmo moribundo desse discurso que já não consegue lidar com as suas próprias premissas fraudulentas. O discurso dominante que durante décadas ignorou as franjas de uma sociedade fragmentada e agora se vê cercado pelas mesmas. Por outras palavras, houve muita gente a perder a paciência. Infelizmente, temos hoje que nos consciencializar que a alternativa posta em prática é muitas vezes maquiavélica e violenta, especialmente para aqueles que historicamente têm menos defesas contra essa mesma violência. Um grupo muito grande de pessoas para quem se calhar o mundo já era tão mau que este retrocesso não tem qualquer significado maior. Nesse sentido, talvez o mais provável é que não estejamos sequer perante uma alternativa, mas antes uma concretização da forma pior de um sistema que nunca procurou realmente o bem comum. A verdade é que um discurso nacionalista e xenófobo na Polónia faz pouca diferença à família no Iémen que há anos vê a morte chegar dos céus sem aviso nem razão.

Vemo-nos então num estado de choque perpétuo com a piada de mau gosto que é este mundo cheio de contradições. O grande desafio da geração que começa agora a tomar as rédeas do poder é ser capaz de as reconhecer, de abandonar de vez o pensamento mágico instituído num qualquer progresso que ninguém vê e ao mesmo tempo imaginar uma alternativa mais justa. E é preciso perceber que o tempo urge. Por isso mesmo há que enfrentar com convicção as questões inquietantes deste paradigma absurdo. É preciso voltar ao grau zero e ouvir as vozes indignadas que sempre falaram na surdina. Uma batalha que se faz em casa, na fábrica, no campo, na cidade, na escola. Uma batalha obrigatoriamente interseccional, para a qual não há fórmulas universais, nenhuma resposta definitiva que eu, ou alguém, possa aqui debitar. E por isso também devemos evitar o perigo de banalizar o momento com ideias demasiado abstractas que nunca se traduzem em acção. A pergunta que se coloca é a de sempre: o que fazer

Pensemos no espaço que habitamos…

Uma escola de artes como esta encontra-se demasiadas vezes encalhada na possibilidade da sua participação. Nem sempre é claro como é que um artista ou um designer pode contribuir com o seu trabalho para a definição desta alternativa. E embora haja pensamento útil sobre esta mesma questão, é mais uma vez difícil sintetizá-lo em respostas que ajudem qualquer pessoa que esteja a ler este texto. Conhecemos determinados princípios éticos e servimo-nos do bom senso, mas no final do dia cada indivíduo acaba por encontrar a sua forma específica de trabalhar para a comunidade que o rodeia. Ainda assim, acredito que há uma responsabilidade primeira e fácil de assumir. É essencial que os estudantes construam no espaço da escola o modelo que querem ver aplicado no mundo. Não é mais suportável aceitar uma escola pública negligenciada, onde os alunos têm cada vez menos condições de trabalho e os docentes e funcionários se vêem em situações profissionais cada vez mais precárias. Se por vezes sentimos que algo está mal, que a Academia se desliga do mundo à sua volta, recolhendo a uma posição de conforto distante, é porque isso é verdade. E não precisamos sequer de começar a falar de ideologia para perceber esta desresponsabilização política. Que voz têm tido as nossas universidades no debate por uma habitação a preço justo, especialmente em grandes cidades como Lisboa? Quantas vezes ouviram um presidente ou reitor a defender os seus alunos e as suas famílias, sobre quem se abate um custo de vida insuportável, já para não falar das propinas? Se a tendência do encarecimento continuar, quanto mais tempo esperam eles que os alunos aceitem pacificamente estes sacrifícios? Numa escola como esta não é sequer assim tão difícil criar comunidade e agir colectivamente, não é difícil chegar aos ouvidos do “poder” e não é difícil agir directamente.

Na tentativa de participar politicamente através do nosso trabalho sem olhar às condições que lhe dão origem, corremos cada vez mais o risco de acabar a vender carrinhas de alta cilindrada como quem quer mudar o mundo. Andamos constantemente a procurar formas de individualmente nos posicionarmos e por vezes esquecemo-nos que só numa união solidária e determinada podemos realmente fazer a diferença. As Belas-Artes nunca tiveram problemas em reflectir sobre si próprias, de repensar infinitamente as suas posições filosóficas e culturais. Não terão então, certamente, dificuldade alguma em identificar os problemas concretos e materiais que afectam as pessoas que constituem as Belas-Artes. Para lá das especificidades de cada disciplina que se ensina e aprende nesta casa, urge combater pelo que é comum. Porque não há razões para acreditar que o ensino público esteja seguro, nem o direito à habitação, ao trabalho ou à alimentação. Muito menos à felicidade. Quando essas necessidades se transformarem definitivamente em insuficiências, poucos terão paciência para ser artistas ou designers. Por isso é melhor perder já a paciência com as promessas adiadas da austeridade. Perder a paciência com um discurso que pinta o diabo a quatro aos estágios não-remunerados enquanto sustenta um sistema que deles depende. Perder a paciência com as intermináveis alusões às rupturas históricas por vozes profundamente conservadoras que se opõem à mínima mudança. Perder a paciência com a discriminação que tanta gente ainda sofre à nossa volta. Perder a paciência com quem continua a criticar a escola de artes como um espaço elitista e alheado da realidade — sendo que há apenas uma forma de o fazer: provando através das suas acções que de facto não o é.


Texto escrito para o número 3 da revista Cisterna, com o tema “Limites”, uma publicação da Associação de Estudante da Faculdade de Belas-Artes de Lisboa.

[Entrevista] Francisco Laranjo

Francisco Laranjo é um designer gráfico sediado em Londres e no Porto. Tem exposto as suas reflexões sobre temas como o critical design em diversas publicações, entre elas o Design Observer, a Eye Magazine, a Grafik ou o jornal Público. Criou a revista Modes of Criticism, a vertente editorial de uma plataforma de investigação e estúdio de design gráfico com o mesmo nome, e cujo segundo número foi editado em 2016, reunindo textos de vários autores convidados. Além da actividade como designer e investigador, deu aulas como professor visitante e convidado em universidades como o Sandberg Institute (Holanda), Royal College of Art, Central Saint Martins, London College of Communication, Kingston University, University of Westminster (Reino Unido), ESAD e Universidade de Coimbra (Portugal). Entrevistei o Francisco Laranjo a propósito da sua conferência nos Encontros de Design de Lisboa, que aconteceram na Faculdade de Belas-Artes a 17 de Novembro do ano passado. Com ele procurei clarificar o que pode significar ser crítico no design e como é que uma crítica à disciplina (através da prática e do ensino) pode produzir um contributo válido para a sociedade.

© Modes of Criticism
© Modes of Criticism

No texto “Critical Graphic Design: Critical of What?” chamas à discussão Ramia Mazé, que propõe três niveis de criticidade em design e Jan van Toorn, que fala sobre as esferas de acção do designer. Fazes isso de forma a demonstrar que o design crítico pode ser muita coisa. Demonstra pelo menos que não há um design crítico, que ele não é um valor absoluto, por assim dizer. Como referes noutros textos, isto não impede que a expressão seja usada de forma às vezes leviana por escolas, workshops, publicações… Entendes que existe uma falta de clarificação generalizada sobre o que é design crítico?

Isso é o que tenho tentado debater, principalmente através da revista Modes of Criticism e dos artigos no espaço público. A intenção é encontrar critérios para definir primeiro o que é a crítica e a partir dessa definição — das dimensões que envolvem um projecto ou uma abordagem que possa ser considerada crítica — fazer uma uma tradução de modo a investigar como é que podem ser aplicados ao design gráfico. É importante fazer uma distinção entre o termo critical design, como um campo dentro da disciplina do design, e o design crítico, que pode ser definido como uma qualidade. Não é exactamente o mesmo, a tradução acaba por não facilitar esta clarificação. É agora possível definir e mapear teoricamente critical design, identificando os seus critérios e problemas, enquanto que com ‘design crítico’ estamos a atribuir a qualificação de que o design tem alguma dimensão crítica, ou é um design que critica. Esta expansão na tradução pode muitas vezes criar confusões que não são produtivas para esclarecer a terminologia. Portanto, o que tenho tentado fazer na publicação [Modes of Criticism] é clarificar a génese da crítica utilizando a crítica literária e, através das fundações da disciplina — mesmo na teoria crítica —, tentar identificar quais são os critérios que definem o que é que ser crítico. Portanto, é fundamental considerar todas condições raciais, sociais, de género, de sexo, etc., e como é que a pessoa, o cidadão — mas também fazendo a tradução para o designer — está a conseguir lidar com as lutas mais prementes da sociedade em que habita. A partir daí consegue-se avaliar um projecto de design, porque é possível mapeá-lo em relação a estes critérios que definem o fundamento do que é ser crítico.

Noutro texto, intitulado “Critical Everything”, fazes referência a um segmento documental de Adam Curtis sobre a forma como o status quo político usa uma certa cortina de fumo de contradições para se tornar incriticável. No último filme de Curtis, “HyperNormalisation”, o realizador explora uma outra problemática que eu acho que é relevante para esta discussão: a ideia da câmara de eco, uma certa bolha em que nós vivemos e que nos dá exactamente o que nós queremos receber. A minha pergunta é se uma eventual popularização do critical design não levou a que se desenvolvesse a tendência para um género de meta-crítica que não permite olhar para os problemas reais da sociedade, focando-se apenas nos problemas internos da disciplina. Ou seja, a ideia de haver um estilo de critical design não fez com que ele se fechasse sobre si próprio?

O contributo essencial do critical design é o contributo para a própria disciplina de design. Ou seja, toda esta terminologia emergente é útil para contribuir para uma evolução mais crítica da disciplina, não tanto pela razão de existência destes termos ou campos disciplinares, cujo valor muitas vezes reside precisamente na sua existência temporária. Mas, é por facilitar essa transição, autocrítica, debate e escrutínio da própria disciplina, que permite haver auto contestação. Devido a esse processo, que é sempre teórico-prático, é capaz de desenvolver e de expandir a responsabilidade e a politização do campo disciplinar do design. Essa parece-me ser a dimensão mais importante desta terminologia emergente, que é utilizada enquanto ferramenta produtiva para contribuir para o campo disciplinar. O que o investigador de design Cameron Tonkinwise argumenta no artigo “Just Design” é precisamente isso. A capacidade destes termos facilitarem este debate, este questionamento e problematização, quase como se fosse necessário o design criar estes sub-campos disciplinares para cometer erros, para se aperceber da sua despolitização, lacunas e problemas. Só através destas oportunidades é que é possível haver momentos de questionamento que depois contribuem para que o design enquanto campo disciplinar consiga contribuir para a sociedade com mais substância.

Em 2015 foi editado o livro “The Debate”, que apresenta a transcrição de um debate lendário entre Jan van Toorn e Wim Crouwel em 1972, na Holanda. Esse debate expôs na altura, e continua a fazê-lo actualmente, as diferenças muito vincadas que existiam sobre a ideia do que é ser designer, principalmente a ideia do designer como prestador de serviços e a forma como este tem legitimidade ou não para intervir sobre a mensagem. Hoje em dia, talvez vejamos que estas diferenças não estão tão vincadas, ou seja, ideias como o designer enquanto autor ou o critical design tornaram- se relativamente pacíficas entre os designers. Isso não vem também limitar o debate? É interessante ver nesse debate a intervenção acesa do público — não havia ali uma paixão ao assunto debatido que se poderá ter perdido no processo?

Essa eventual retirada de alguma paixão, ou de algum compromisso, é resultado de uma muito maior pluralidade e portanto, nessa diversidade, é mais difícil existir um binómio. É importante, contudo, fazer uma ressalva: Wim Crouwel e Jan van Toorn partem os dois exactamente do mesmo princípio modernista de contribuição para uma melhor prática social, e partindo da mesma ideologia conseguem ter abordagens totalmente distintas. Mas enquanto um argumentava que o ideal seria uma uniformização e uma eventual neutralidade que conseguisse uniformizar e [trabalhar] quase passivamente, sem grande intromissão, o outro argumentava que isso era uma utopia inalcançável e, portanto, que as pessoas devem estar conscientes da complexidade do mundo que as rodeia. Portanto, julgo que este processo faz parte também da evolução do campo disciplinar do design e sua maturação. Devido à diversidade de abordagens e à maturação, que nunca é linear, tem sido possível observar a transição do designer como autor para o designer como investigador. E, como é que isto abre um grande vazio, principalmente entre os tipos de abordagem mais marginais ou académicas e a prática comercial. A tensão continua a existir mas, de uma maneira geral, houve uma retirada total da parte comercial desse espaço de tensão com a parte mais reflexiva. Estas facções são ainda mais notórias agora, mas existe uma total indiferença do mercado ultracomercial, que ignora qualquer tipo de dimensão crítica em prol do lucro e de ver a actividade do designer enquanto apenas uma profissão. “Design é um trabalho que eu faço das 9 às 5. Podia ter sido ensinado a ser mecânico, mas fui ensinado a mexer no computador, portanto é isto que eu faço e não tenho qualquer tipo de responsabilidade…” Este tipo de abordagem puramente pragmática continua a ser dominante, e a corresponder a 80%, talvez 90%, da prática do design. Consegues encontrar facilmente [quem contraponha] qualquer relevância deste trabalho de critical design ou de reflexão, a não ser porque gera modas visuais que podem ser absorvidas pela MTV ou reapropriadas, monetizadas e devolvidas, como uma linguagem mainstream que pode ser comercializada. Por isso, estes aspectos estão também dependentes do contexto cultural e político.

Não há muitas discussões como a que aconteceu entre Wim Crouwel e Jan van Toorn, por isso não é cauteloso dizer que é representativa dos anos 1970. É o contexto holandês muito específico dos anos 1970; o contexto político e de abertura cultural permitem que esse tipo de discussões aconteçam e por isso é que conseguem ser tão raras, por isso é que um livro acaba por ser republicado em 2015 sobre algo que aconteceu há tantas décadas atrás. É sintomático de um exemplo raro… Não diria único porque existem outros na história da disciplina, nomeadamente durante o construtivismo russo, onde havia estas discussões acesas, mas esse binómio é mais difícil de encontrar agora, precisamente por causa da diversidade. É importante também que essa diversidade facilite discussões com várias nuances e não seja tudo preto ou branco, os meios termos são importantes de debater.

Nesse sentido, eu perguntava-te o que é que se deve esperar dos designers perante a actual turbulência política e social que vemos crescer à nossa volta? Em segundo lugar perguntava-te se existe alguma responsabilidade particular da disciplina do design ou se a responsabilidade não é partilhada como um dever cívico e não apenas do design.

Há um dever necessariamente partilhado. Lembro-me que o Adam Curtis, no filme “HyperNormalisation”, começa com uma provocação feita à Patti Smith, onde ele diz que no fim dos anos 1960 e 1970 os artistas abstiveram-se de intervir na sociedade para se recolherem num canto, para procurar a autoexpressão em vez de se mobilizarem colectivamente, como cidadãos. Isto é também aplicável aos designers, argumentando que em vez de estarem a produzir algo que é fruto do seu conhecimento, juntando-se a movimentos colectivos conseguiam ter um efeito político provavelmente mais eficaz do que através da disciplina. Mas obviamente que não se podem desresponsabilizar da sua influência e importância na mediação de toda a produção intelectual, política, de noticias, que conseguem controlar e moldar cada vez mais a forma das pessoas pensarem e de criar eventos fictícios. Esta é uma das razões pela qual também tenho falado no design automatizado, porque nestas eleições [norte-americanas] — ainda mais do que em 2008 ou 2012, quando já se começava a ver a influência das redes sociais — foi possível ver vários bots criados há poucas semanas com notícias falsas e apoios constantes. Nas próximas eleições será ainda difícil de identificá-los. Começa a ser mais problemático porque quando um algoritmo conseguir estar a conversar e interagir com pessoas, vai ser mais complicado de dizer se é falso ou não. Há uma intromissão no sistema político que é importante e que é sempre, pelo menos até hoje foi, mediada também pelos designers em termos de comunicação, em propaganda digital, em material impresso, etc. Por isso é que não faz sentido muitas vezes uma comparação redutora a dizer que o designer tem mais responsabilidade que um médico ou que um cabeleireiro, porque são responsabilidades diferentes. Todos têm responsabilidades enquanto cidadãos, mas não se podem descartar do seu papel fundamental enquanto pessoas que ainda detêm, ou por quem ainda passa, esse processo importante de edição e mediação e, no fundo, de tensão, que é sempre uma negociação. O processo de design é sempre uma negociação. Portanto, [os designers] não se podem abster de entrar nessa negociação com consciência política e com a capacidade de entender e problematizar as consequências das suas acções.

Eu colocava-te então uma última pergunta: qual é o papel das escolas de design ao formar uma nova geração de designers que possa pensar e agir sobre estes assuntos de forma mais crítica e mais consciente?

O papel das escolas deve ser em muitos aspectos radicalmente diferente… Estou a falar da educação de uma forma geral. Diferente no sentido de se conseguir ter currículos que se adaptem e que sejam flexíveis aos movimentos sociais e políticos e que consigam responder a novos paradigmas de forma rápida e táctica. O mais fundamental papel das escolas reside na capacidade de saber politizar o acto e o processo de design e fazer com que os designers sejam capazes de pensar sobre sistemas e sobre a infraestrutura que facilita e que molda a forma das pessoas, e dos próprios designers, viverem, trabalharem e pensarem, mais do que ensinar alguma componente técnica, terminologia temporária ou moda discursiva e prática. A capacidade de investigar a infraestrutura e dotar os designers e alunos de metodologias e de ferramentas que lhes permitam reagir e intervir nessa infraestrutura é o mais importante. Essa é a forma que lhes vai permitir, não só como designers mas também como cidadãos, saber como é que podem utilizar o conhecimento que estão a adquirir de uma forma que lhes permita viver e trabalhar no sentido de gerar um futuro que eles pretendem em vez de apenas se adaptarem ao futuro que irá acontecer, muitas vezes apresentado como inevitável. Este será o mais importante papel das escolas.